sábado, 24 de junho de 2017

Artigos soltos 18

      Ora, a visão de Ezequiel. Uma vez comentada sua especificidade, comparada a que nos diz respeito, presa ao modo e visto como Deus se revela, individualmente.

     Avistou um revolver de nuvens que procediam do norte, a princípio típica de uma concentração de cumulus nimbus, porém progressivamente mais horrenda do que o aspecto daquelas. Muito mais do que isso.

      Assomava-se. Vinha em sua direção. Não era somente ameaça de uma segura tempestade, porque aquela concentração tinha algo específico a revelar ao profeta.

      Houve um limiar, um limite, uma fronteira na percepção dele, desde que considerasse ser apenas um acúmulo corriqueiro, porém estranho, de nuvens, para, na verdade, torná-lo consciente de que não era rotina.

    Como Elias, em conflito pessoal com sua própria vocação, deprimido e fugindo de Deus, no interior da caverna, não sabia discernir se Deus estava no temporal, nos raios que caíam ou no terremoto. Em nenhum deles. Deus sempre está.

    Como nós, que tentamos discernir as circunstâncias do viver, perguntando como pode? Onde Deus está, que não impõe limites e põe freios à maldade. Querendo deterninar os modos de Deus, quando nem os nossos nem os dos outros determinamos.

    O ser humano não é dono de nenhuma coerência. Mas deseja determinar, para Deus, uma teologia. Ezequiel, junto aos exilados, perguntava como e por quê? Eles perderam, a um só tempo, sua terra, seu rei, sua liberdade. Caiu, a um só tempo, o trono, o templo, foi-se a terra, só ficou o Livro.

     A única saída era enxergar, afinal, onde está a glória de Deus, aviltada na aposta feita, nessa aliança suicida com um povo rebelde. Ezequiel, de cara, a enxergava.

     Deus diria a ele, em meio à própria relutância do profeta: esse povo rebelde, ouvindo ou deixando de ouvir, saberão que, no meio deles, esteve um profeta. Como está em Amós, nada essencial Deus faz sem que comunique isso ao profeta.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Artigos soltos 17

Escrevendo sobre Ezequiel.

    Começa mirabolante o livro que toma seu nome. Visão em CinemaScope colorida. Esta é a mãe das técnicas modernas de filmagem, surgida em minha geração.

    Ezequiel viu a gloria de Deus, como este escolheu manifestar-se a ele. Sim, porque é da soberania de Deus a escolha do modo como vai, individualmente, manifestar-se.

    Por exemplo, o caso de Paulo que, literalmente caiu (se, na verdade foi esse o transporte) do cavalo. Ou como no caso de André e João, cujo xará, denomindo Batista, apontou, num jeito meio grosso: "Eis o Cordeiro de Deus".

    Ezequiel, assentado entre os exilados, à margem do rio Quebar, amargava-lhes, entre outras coisas, o ódio expresso no Salmo 137. Um anônimo não teve escrúpulos em registrar tal emoção.

     Também, como destacou o pastor Manoel Porto Filho, aquele povo indignava-se com o pedido de seus algozes babilônios que desejavam ouvir-lhes a já internacional e famosa música.

    Mas como, diziam, cantar no cativeiro. Especificamente, disse Porto Filho, é o lugar mais próprio de se cantar. Muito provavelmente Ezequiel lhes seguia o mesmo estado de ânimo.

    E nós, sentados em meio à nossa própria realidade, exilados nela, também não divisamos muito otimismo. Resta-nos divisar a glória de Deus.

    Muito provavelmente, não em CinemaScope. Outro anônimo, o autor de Hebreus, indica que a experiência atual é muito mais próxima da face de Deus. Se assim não divisamos, é por outro tipo de cegueira.

   Talvez pela prática equivocada de não olhar para o rosto do outro. Ver, no rosto do outro, expressão da face de Deus. Isaías diz que não devemos nos esconder do nosso semelhante. Para Deus, não há outro modo de olhar, senão cara a cara.

     Passeando no jardim, pela viração do dia, buscava olhar o casal cara a cara. Nós, que já enxergamos Deus, em Sua glória, devemos encarar o outro, qualquer outro, cara a cara, refletindo a glória de Deus por nosso rosto.

    Paulo a isso se refere, quando diz "somos transformados, de glória em glória, como pelo Senhor, em nós o Espírito".

domingo, 11 de junho de 2017

Oração de criança

   O Brasil se tornou um país triste, de um povo explorado. Tanta alegria existe, de um povo tão espirituoso, que tem música, poesia e dança, só para falar esses três.

   Que comece bem superficial essa análise. Não precisa muito. Tudo no Brasil hoje se resume em poucas palavras, sem muito recurso de definição: políticos cínicos são ladrões descarados, a nação, em sua maioria, de trabalhadores escravos, com impostos escorchantes que sustentam esses desmandos.

    E ainda querem dizer que roubam, sim, de ladrões. Por que são ladrões, dizem eles, porque todos somos ladrões. Eles nem mais se justificam: mentem sempre e culpam seus eleitores: são ladrões, porque todos somos ladrões.

    Não me venham com ideologia, nomes de partidos ou argumento pueril e simplista de esquerda/direita. Desde o mensalão de FHC, que lhe garantiu reeleição, presidenciáveis e ex-presidentes mentem e não assumem o combate à corrupção.

    Não me venham dizer que corrupção foi a desculpa para o golpe em 64, se foi, foi mais uma delas, injustificável, mas corrupção é chaga que existe desde o Império e falta vontade política para acabar com ela. Não acredito em nenhum outro discurso que não seja discutir o fim dela ou, pelo menos, seu combate frontal.

   E não me venham dizer que, como quer o mais recente ladrão-chefe, é necessário emparedar o judiciário. Combatê-lo e negar seu serviço é antidemocrático. Embora eu mesmo reconheça que até democracia, na boca de alguns, é puro pretexto e hipocrisia.

    Por falar em democracia, não existe no país. Porque o grau de impostos nos reduzem a trabalhadores escravos. Para angariar o dinheiro que roubam e desperdiçam. Como dizia Isaías, o profeta, da planta do pé ao alto da cabeça, uma chaga só.

    Como dizia Jeremias, outro entre profetas verdadeiros, que minha cabeça fosse um rio de lágrimas a chorar pela filha do meu povo. Não há mais o que revelar. Já sabemos tudo. Se algo mais vier, será sórdido como tudo já demonstrado.

    Só há superlativos. Tribunal Superior? Desde o presidente e seus cúmplices, são cínicos. Havia quem era contra a Lava Jato? Tornou-se incoerente quando ela alcançou seus próprios cúmplices.

    São corruptos e corruptores e querem que todos sejamos. Se formos honestos, rirão na nossa cara, detratando-nos para dizer que não existe honestidade. Meu Deus, tu existes. Não ignoras o que pratica esse tipo de "brasileiros" desde o descobrimento.

   Bem poderia deixar, soberanamente, ó, Pai, que assim continuasse, pois engendram o que lhes é comum. Mas alguns de nós, com sinceridade, te pedimos: basta. Chega. O tempo de sua ladroagem é suficiente. Pedimos que, por Tua misericórdia, nossa geração veja justiça e que sejam eles os encurralados.
   
   Como crianças, pedimos algo impossível para nós. Mas cremos que, entre homens, há ministros Teus, e Teu reino é realidade e já opera no mundo. Riem de Deus, riem de teus profetas, riem de teus ministros. Riem. Pouco medo nutrem, porque sua glória e segurança está na sua infâmia.

   Basta, Senhor: é a nossa oração. Supreende-nos e a todos e a muitos. Sinal do Teu reino, em nome de Jesus, amém.

domingo, 4 de junho de 2017

Mal traçadas linhas 42

    Todos somos. Todos somos?

      A polêmica sobre a narrativa do Gênesis termina onde a leitura certa da história se cumpre. E deve ser levada a efeito de modo inteligente e com toda a percepção a que se presta essa introdução de todo o Livro.

     Rasteiro, rasteiro o que a narrativa quer deixar bem claro é que a Bíblia, em sua introdução, quer nos dizer que, em certo sentido ou, se preferimos, no sentido mais estrito e restrito, todos somos Adão e Eva.

    Somos Adão porque a raça homem, em toda a sua macheza, o que mais está acostumado a praticar é não assumir-se diante de Deus, de modo covarde, e ainda pôr a culpa na mulher.

    E somos Eva porque a raça fêmea, por mais que, ainda, seja sincera diante de Deus, só pode mesmo admitir ter sido enganada pela serpente, sugerindo ao homem a mesma parceria, para que fossem juntos arrastados ao mesmo buraco existencial.

    Todos somos Adão e Eva. É isso que a narrativa introdutória da Bíblia quer nos dizer. É por essa ótica que ela nos enxerga. O autor de Deuteronômio, no poema que fecha o livro, em 32:5, diz que agora, nessa condição, somos manchas. Numa versão, diz "corromperam-se contra ele (contra Deus); não são seus filhos, mas a sua mancha; geração perversa e distorcida é.".

    Mas o Livro aponta uma saída. Paulo Apóstolo apelida Jesus de "segundo Adão". Ele diz que esse homem, Jesus, não enveredou pelo mesmo labirinto, esse sem saída, que sempre vai dar no homem e mulher nus, sem máscara diante de si mesmos, fugindo de Deus e fora do paraíso.

    Jesus, o segundo e definitivo Adão, nunca se escondeu de Deus assim como nunca deixou de ouvir a voz de Deus e sempre a obedeceu. É isso que a Bíblia tem a dizer sobre esse homem.

    "O filho não pode fazer de si mesmo senão unicamente aquilo que vir fazer o Pai". Sem nenhuma hipocrisia, essa palavra se cumpre cabalmente com relação a Jesus.

   E a Bíblia também afirma que Deus se dedica a refazer, regenerar, ou seja re + gerar, gerar de novo, deixar o modelo de barro falido, a carga de Adão e Eva que todos trazemos conosco, para realizar nova criação em Jesus Cristo.

     É de novo Paulo Apóstolo que diz "pois somos feitura dEle", quer dizer, de Deus. Somos, em Jesus Cristo, a partir do batismo em nova matriz, feitura, a palavra grega traduzida quer dizer "poema" de Deus, quer dizer, poema cujo autor é Deus: cada um que se deixa moldar pelas mãos do Criador, é barro novo modelado, a partir de nova matriz que é Jesus.

   Somos todos Adão e Eva. Quantos podem dizer que são Jesus? Quem pode dizer que é modelado pelas mãos de Deus, a partir dessa nova matriz, que é Jesus, como enxergou o profeta Jeremias na casa do oleiro, onde Deus lhe mandou ir, para atinar com o seu trabalho.

   A igreja de Jesus é a casa do oleiro. Quantos somos Jesus, batizados por ele no Espírito Santo, modelados barro novo pelas mãos do Pai, na casa do oleiro?



   

quinta-feira, 25 de maio de 2017

      Por que o Ensino Religioso não pode sair da Base Nacional Comum Curricular:

    1. FORMAÇÃO HISTÓRICA DO BRASIL: Está presente a violência religiosa contra o indígena e contra o negro, que tiveram sua cultura diminuída e sua religião aviltada;

    2. FORMAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA: O resultado de uma formação histórica distorcida e discriminatória fizeram perdurar traços de racismo e menosprezo em relação às nações indígenas e nações africanas trazidas à força para o Brasil;

    3. DIREITO DE ESPAÇO RELIGIOSO IGUAL: Também formou-se, ao longo do processo histórico, a ideia de que religiões hegemônicas, fosse no Império ou, de modo disfarçado, a partir da República, fossem instituídas e dominassem o espaço de outras religiões de minorias, diminuídas em sua importância, incluída a discriminação contra quem reivindica o direito de não crer;

     4. SITUAÇÃO ATUAL: Não somente a diversidade religiosa, mas outras diversidades estão relacionadas e a escola está no centro dessa discussão, porque se coloca na mediação entre convívio familiar, social, desempenho produtivo e cidadania;

     4. POR QUE ENSINO RELIGIOSO:

4.1 Constitui-se num entroncamento de várias outras disciplinas e contexto de vida entranhado na formação do povo brasileiro;

4.2 Predispõe uma variedade de abordagens que amplia visão e campos de conhecimento que bem oferecem um preparo indispensável, num contexto de diversidade religiosa que a família, sozinha, não alcança;

4.3 Campos contemplados e indicados, anteriormente, na Base Nacional Comum Curricular, como filosofia, história, sociologia, arte, tradições religiosas, direitos humanos, cidadania, entre outros, promovem uma interdisciplinaridade essencial, funcional e necessária.

    Por respeito a todos os que se empenharam para que constasse na Base Nacional Comum Curricular, com absoluta competência nessa abordagem, e todos que, pelo Brasil afora examinaram e validaram essa presença, e ainda em função da história de opressão religiosa no Brasil e a necessidade atual de assistência aos alunos e apoio à família, torna-se urgente e absolutamente necessário o retorno do programa de Ensino Religioso como disciplina constante entre as demais de Ciências Humanas na Base Nacional Comum Curricular.

               Cid Mauro Araujo de Oliveira.


sexta-feira, 19 de maio de 2017

Mal traçadas linhas 41

Salvar alguém como eu.

  Alguém compôs esse hino aí. Deve constar de um arroubo de reflexão sobre sua própria condição. Faz a gente refletir sobre a nossa própria.

  Supõe que, uma vez confirmada a palavra bíblica de que Deus se ocupa, pessoal, intransferível e individualmente com a nossa salvação, que vocação, no mínimo, estranha que o Altíssimo instituiu para Si mesmo.

 Sim, porque quando imagino Deus ocupado em me amar, caramba, agora num arroubo meu de (falsa) humildade, até me emociona que o Altíssimo assim possa agir. Afinal, sempre tomado pelos mais elevados e definitivos arroubos, Ele sim, de Sua divindade, amar-me combina com Ele.

   Mas aí, penso em cada ser humano. Essa diversidade é desconcertante. Claro que somos seletivos nessa história de "amor" ao próximo. Não saímos, por aí, amando. Envernizando nossa cara de pau, ciosos de não queimar nosso filme, adotamos uma visão cristã da coisa, porém não radical.

   E quando pensamos em Jesus, expressão humana exata de Deus, daí refletimos, procurando enxergar numa pálida ideia essa imagem de um envolvimento sem acepção (ou assepsia) de pessoas.

  Imagine Deus ocupar-se em amar todos e cada um. Quando o Altíssimo, que tudo sabe e a tudo perscruta ainda se faz Espírito para, além de uma vez se ter feito homem, ocupar-se da intenção de estar dentro dos que ama, cara, uma vocação dessas, de se envolver, individualmente, com a falência humana, que louvável vocação.

  Amor. Mais ou menos isso que eu penso quando palidamente reflito no que consiste entender que Deus se ocupa com o que cada um carrega consigo no mais íntimo, aí onde às vezes nem mesmo a criatura humana tem coragem de imergir e, se e quando o faz, veste sua fantasia e se impõe uma máscara. Hipócritas caras de pau nós somos.

domingo, 14 de maio de 2017

Amor em 10 lições


  "Porque Deus amou o mundo de tal maneira...

             1. ... que deu seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." Este trecho do Evangelho de João, apelidado de "texto áureo" da Bíblia, encerra alguns dados fundamentais sobre o sentido do que é amor. Primeiro, a dádiva de Deus, que é seu Filho, é o traço distintivo do amor de Deus. "Dar o Filho" e de "tal maneira" constitui-se na medida do amor de Deus.

             2. Numa certa carta que escreveu, João absolutiza, dizendo que "Deus é amor", 1 João 4:8. Portanto, lendo um trecho pelo outro, "dar o Filho" representa o máximo da personalidade de Deus, porque Deus é amor. Não haveria outra forma de Deus provar seu amor, como agora quem diz é Paulo Apóstolo em Romanos 5:8, "Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco  pelo fato de Cristo ter morrido por nós".

             3. Deus quer que amemos. Paulo, na sua oração em Efésios 3:17-19, diz que Cristo habitar em nosso corações significa estarmos "arraigados e alicerçados em amor", para uma única finalidade: compreendermos, "com todos os santos", ou seja, com todos os demais que creem, "qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento", para que sejamos "tomados de toda a plenitude de Deus."

            4. Compreenda, antão, até agora que Deus é amor, tem como prova maior ter dado o Filho, para nos arraigar, enraizar, fundamentar em Cristo, como Paulo Apóstolo, de novo diz em Colossenses 2:6-7, a fim de compreendermos todos os limites e conhecermos esse amor, que excede todo o entendimento e sermos tomados de toda a plenitude de Deus. Enfim, Deus é amor e quer compartilhar amor conosco.

            5. Amor não é sentimento. Amor é atitude. Essa foi a atitude de Deus. Paulo Apóstolo nos socorre, de novo, para compreendermos, quando diz em Colossenses 1:13 que, para tanto, Deus nos "libertou do império das trevas" e nos transportou "para o reino do Filho do seu amor." A atitude de Deus, a nosso favor, substitui trevas, em nossa vida, pela presença do amor. Amor em lugar de trevas substitui o caos em nós. "Criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas", boas obras de amor, Efésios 2:10.

            6. A Bíblia, em sua lição essencial, coloca-nos diante de Deus, sem barreiras, ainda como diz Pedro Apóstolo, em 2 Pe 1:4, como "coparticipantes da natureza divina", ou seja, participantes com Deus e em Cristo do amor, ainda acrescentando que este é o único meio de nos livrar "da corrupção das paixões que há no mundo." Deus nos livra dessa corrupção, desarraigando-nos de nossas próprias trevas, para nos enraizar, fundamentar e edificar em Cristo, para sermos tomados de Sua plenitude, em amor.

            7. Para se negar toda a relevância da Bíblia como livro, como mensagem do amor de Deus ao homem, é necessário negar essa possibilidade do amor. Para se negar Deus, é necessário dizer que não existe amor. Nunca diga "eu te amo" a ninguém. Pobre homem: "amor", para ele, sem Deus, é apenas um sentimento condicionado e condicionante, acalentado como possibilidade por um animal top de linha  na cadeia da evolução. Basta olhar, então, à volta e ver, na vitrine do mundo, a prova mais cabal de que ao homem é impossível de amar.

           8. Não diga "eu te amo" a sua mãe: "Dia das Mães", por exemplo, não passa, mesmo, de um capricho do mercado, eleito como dia de gastos extras para o comércio. E não adianta tentar escapar porque, se você tentar ser mais autêntico no uso da expressão "eu te amo", não vai adiantar: se Deus não existe, amor não é absoluto, amor é restrito, não é atitude permanente e eterna, é sentimento indefinido e passageiro, que só existe até que todos viremos cadáveres, porque cadáver não ama e a morte é o fim de tudo. Não diga "eu te amo" a sua mãe, não diga "eu te amo" a sua amada ou ao seu amado, não diga "eu te amo" ao seu filho, não diga "eu te amo" a ninguém porque isso tudo tem um fim. "Ame", somente enquanto a morte não vem.

           9. Deus traz consigo amor. Só nele existe amor. Amor não é sentimento, porque ao tentar nutri-lo, o homem projeta de si. E tão falho, tão frágil, e traidor como é, no homem, o amor acaba, diferentemente do que repete Paulo Apóstolo em 1 Coríntios 13:8, "o amor jamais acaba". O amor no homem acaba, porque o homem acaba. Mesmo que, em sua tentativa, durante sua breve existência se esforce para demonstrar amor, como de si projeta, como de si entende que seja, vai ter um fim. Muito pior quando o fim do amor que, em sua vã tentativa, o homem deseja mostrar, esse fim ocorre antes da morte: fica demonstrada a incapacidade humana de, em si e sozinho, sustentar o que chama de amor. Amor no homem tem limite, não tem "comprimento, altura, largura e profundidade".  É falso, ainda restrito ao seu, do homem, entendimento.

         10. Aprenda a amar. Só na prática é possível aprender a amar. Só recebendo de Deus amor é possível amar. Só existe amar "sendo tomado de toda a plenitude de Deus". Leia 1 Coríntios 13. Ali está escrito um montão de coisas que amar não é. E outro montão de coisas que amar significa: "tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta", 1 Coríntios 13:7. Dar a própria vida, dar todos os bens, ser tudo que, em sua vã vaidade, o homem pretende, idolatrar o ego, ainda que dissimuladamente, projetando ser deus, tão típico ao homem, como demiurgo, não significa amar. Amar é "ser, pois, imitador de Deus, como filho amado" e "andar em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave", Efésios 5:1-2. Você ainda acredita no seu amor sem Deus?

        Deus é amor. Pratique amor.