sexta-feira, 28 de julho de 2017

Mal traçadas linhas 49

Os limpos de coração verão a Deus.

      Supondo-se ver Deus, só para limpos de coração. Porém, antes mesmo de discutir essa possibilidade, quem limpo de coração?

       A própria Bíblia, num de seus Salmos, denuncia que Deus olhou do céu e não viu nem um justo sequer. Portanto, supondo seja possível ver Deus, não há esse.

     Seria, então, um blefe? Sentido figurado, então. Em que sentido, pois? Ver, no sentido bíblico, não admite meios termos e é muito, incomparavelmente mais e maior do que o "ver" humano.

      Há quem reclame de fé, admitida, nesse caso, como algo muito vago. Mas é garantido que extrapola o simples ver. Sentidos enganam. Imagem, muitas vezes, senão sempre, é distorcida.

      Não há limpos de coração, no sentido absoluto. E os que Deus purifica e santifica também não se pode dizer deles que, definitivamente, o sejam.

      Estamos, portanto, diante da seguinte situação: ver Deus não é blefe e também não se reduz a enxergar com olhos humanos. Para isso existe a fé.

    Deus, em essência, mostra-se, revela-se e anseia pelo cara a cara. Como limpos de coração, para vê-Lo, Ele mesmo se encarrega de os purificar.

      Faz com extrema e suficiente competência. Por isso deseja, em pura amizade de amor, vê-los, assim como deseja, expondo a Si mesmo, ser visto.

    Como requereu Felipe, "mosta-nos o Pai, isso basta" e replicando-lhe, Jesus afirmou: "quem me vê a mim, vê o Pai". Limpos de coração, vede Deus.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Mal traçadas linhas 48

Misericordiosos

       Não há como teorizar a coisa: aprende-se misericórdia sendo misericordioso.

       No texto bíblico, misericórdia tem dois vocábulos, um deles significando "entranhas" e o outro traduzido "amor".

        Moisés, o homem mais próximo de ver Deus em Sua glória, exclamou dEle: misericordioso. Este texto, cristalizado ao longo da história, permitiu Naum dizer o mesmo de Deus, mas acrescentando: não inocenta o culpado.

         João diz: Deus é amor. É amor porque compartilha esse amor conosco. E Deus prova o Seu amor, diz Paulo Apóstolo, pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. Somos os culpados que Naum aponta.

        Amor em Deus é prática. Só se aprende amar na prática do amor. Praticamos amor se nascemos de Deus. Se Ele tem entranhas de misericordiosa, aprendemos a ter quando nascemos de Deus.

        Somente na prática da misericórdia, alcançaremos misericórdia. Isso não significa dizer que primeiro vem a nossa misericórdia, para depois alcançarmos favor de Deus.

         Significa dizer: quem recebe em si da misericórdia de Deus, apreende a ser misericordioso como somente Ele é.

Mal traçadas linhas 47

Fome e sede de justiça.

    Quando? Quando alguém tem fome e sede de justiça? Quando serão fartos?

     Fome e sede são duas carências de diferente grau. É mais um esboço permanente de atitude do que um determinismo.

     Quer dizer que ser farto dessa carência, em relação à justiça, pode ser remoto, mas a fome e a sede devem prevalecer. Mesmo porque há justiça e justiça.

    Há a que é comportamental, decorrência do dia a dia, pro gasto. O cara quer disputar comigo na arrancada do sinal: deixa, deixa ele ir. Eu ganhar, no arranque, não vai provar nada.

    O guarda negaceia, hesitando em me multar, quer seu trocado: não adianta. Não vou molhar a mão dele. Justiça para o gasto.

     Mas há a que é fundamento de todas as outras. Fim último. Quem crê, associa essa justiça a Deus. E diz que todos, com essa, temos dívida. E também diz que, decorrente de "ficha limpa" com relação a essa justiça, decorrem os efeitos práticos de todas as outras.

     Fome e sede. Sacie-se da fome e sede de Deus, em satisfazer Sua justiça. Decorrente disso, mantenha a sua própria fome e sede de justiça: mediata ou imediatamente, vai prevalecer toda a alegria.

     Cheios de alegrias os que têm fome e sede de justiça (embora, vez por outra, sejam bem-aventurados também por chorar).

domingo, 23 de julho de 2017

Mal traçadas linhas 46

E os mansos?

       Herdarão a terra. Logo a terra, pela qual, através da história, tantas brigas houve e milhões de vidas foram ceifadas.

       Quanta ironia! Uma vez verdadeira essa afirmativa, só há uma pergunta a ser feita: que poder há na mansidão que se lhe permite dizer que, em seu portador, residem condições de herdar a terra?

        A não ser que, no caso aqui, herança signifique último termo, quer dizer, no final das contas a herança final será dos mansos. Eles prevalecerão junto à e com a terra.

        Ou por que razão os "não mansos" abririam mão da terra, para doá-la aos mansos. Não existe essa possibilidade. A não ser que, um dia, não mais existissem "não mansos" e somente mansos herdassem.

       Talvez seja essa ideia. Partindo da Bíblia, como afirmativa, haverá, sim, tempo profético escatológico onde somente mansos existirão. Na Bíblia há coisas e afirmativas somente possíveis como promessa e ação de Deus.

        Aliás, a questão é perguntar se prevalece importância na Bíblia se não for levado em conta exatamente isso, que o valor dela reside no fato de apontar promessas e ação de Deus.

       Aqui está expresso que a totalidade de alegria, toda a alegria, a bemaventurança dos mansos é essa: herdarão a terra. No final das contas, vale mais ser manso. Vale menos o valor da terra.
   
       Por enquanto, prevalece o poder de quem o detém e usa para ser dono da terra. Mas e o poder de Deus? Não conta? A Bíblia pergunta sobre quem tem mais poder: se aquele que mata e enterra ou se Aquele que chama, da terra, de volta à vida.

        Aqui entra o poder de Deus. Pelo poder de Deus, a terra é herança permanente dos mansos. Felizes são eles. Porque Deus tem poder para chamá-los de novo à vida. Seja manso. Sejamos mansos.

       Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Mal traçadas linhas 45

Por falar em bemaventuranças

     A primeira entre elas fala de ser humilde. Etimologias à parte, vamos supor que signifique ser consciente de sua real condição. Por exemplo, a condição humana: onde há espaço para orgulho?

     Habacuque, o profeta, contrapõe fé a soberba. Ele diz que o soberbo não tem em si retidão. Mas o justo, vive de sua fé. Está aí outro elemento que confere precisão à real condição humana.

     Paulo Apóstolo aponta humildade como o principal destaque da personalidade de Jesus. Quando diz que não julgou como usurpação o ser igual a Deus. Esvaziou-se e assumiu a forma de servo.

     Está aí outra combinação de elementos que se equivalem e só ocorrem juntos: humildade, fé e serviço. Na vida humana, uma vez enxergada a real condição, resta crer e se entregar ao serviço.

     Nessa primeira bem-aventurança para os humildes, está escrito, deles é o Reino de Deus. Não quer dizer que têm um prêmio. Quer dizer que todos do Reino são humildes. Por isso enxergam e entram no Reino.

      Na entrevista com Nicodemos, Jesus o provocou a entender o conceito de Reino: não dirão ei-lo aqui ou acolá, porque o Reino é Deus em nós. Uma vez entendida a real condição, pela fé, Deus em nós.

     João Apóstolo diz, com respeito a uma palavra de Jesus, que este disse "eu e o Pai viremos para ele (para quem crer) e faremos nele morada".

      Bem-aventurados os humildes.

Mal traçadas linhas 44

Os que choram

       Bem-aventurado os que choram? Mas que choro? Qualquer choro? Qualquer um? Basta chorar? E quem avalia o tipo de choro? Quem chora ou quem assiste?  

       Há variados tipos de choro. Por ódio, por exemplo: não viu completada no outro a vingança que queria. Por amor, que seja. Choro por raiva. Choro por alegria. Choro por razões justificáveis e outras injustificáveis.

       Linhas depois desta, há outra bemaventurança: bem-aventurando os que tem fome e sede de justiça. Está aí uma boa razão de choro: chorar de fome, de sede ou fome e sede de justiça.

        Mas não deve ser literal, porque se for chorar por essa razão aí, que seja o mínimo de lucidez, olhando à volta, não se vai parar de chorar. Neste caso, alguma alienação se torna necessária.

       Chorar pelo que é meu. Esaú chorou quando entendeu o que foi jogar fora seu "direito de primogenitura" que, para ele, era burocrático e desprezível e, para Deus, pleno de sentido.

      Jonas deve ter chorado, por dentro e sem lágrimas, de não ver Nínive, como uma Pompeia dos tempos romanos, ter sido subvertida e submergida como Sodoma e Gomorra.

     Jesus chorou, mesmo sabendo que estava para ressuscitar Lázaro e trazer de volta a alegria àquela família e, aos adversários, a gana de morte contra ele próprio.

      Alguma sensibilidade e alguma lucidez serão necessárias a quem chora. E alguma atitude, também. Talvez choro insite oração e ação. As bem-aventuranças acontecem juntas na vida de quem enxerga e já entrou no Reino de Deus.

     Talvez chorar, do jeito certo, seja sintoma de parecença com Deus.
   

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Salvar alguém como eu.

         Gravado pelo Grupo Elo, em 1977, consta de um arroubo de reflexão sobre a condição humana. Faz a gente refletir sobre a nossa própria.

        Supõe, uma vez confirmada a palavra bíblica, que Deus se ocupa, pessoal, intransferível e individualmente com a salvação. Vocação, no mínimo, estranha escolhida pelo Altíssimo para Si mesmo.

         Sim, porque se imagino Deus ocupado em me amar, caramba, agora num arroubo meu de (falsa) modéstia, surpreende-me se ocupe comigo. Para logo deduzir que, agora sim, tomado por arroubos de Sua divindade, amar-me combina com Ele.

          Porém, é desconcertante assumir a diversidade desse amor. Porque somos seletivos nessa história de "amor" ao próximo. Não saímos, por aí, amando, ciosos de não queimar nosso filme.

       Adotamos uma visão "cristã" da coisa, porém não radical. E aí, deparamos Jesus, expressão exata de Deus, refletindo no que é um envolvimento sem acepção (ou assepsia) de pessoas.

       Deus ocupar-se em amar todos e cada um. Ele que tudo sabe e tudo perscruta, ainda se faz Espírito para, além de uma vez se ter feito homem, ocupar-se da intenção de estar dentro dos que ama.

         Cara, uma vocação dessas, de se envolver, individualmente, com a falência humana é, no mínimo, excêntrica. Imergir no íntimo onde ninguém chega e, se e quando o faz, veste fantasia, impondo máscara. Hipócritas caras de pau nós somos.