quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Mal traçadas linhas 2


                  Diferenças

                 Rápido. Surpreendeu-me a argumentação de uma pessoa de alto nível em um círculo acadêmico. Pelo menos três críticas ela fez ao protestantismo. Vou enumerá-las e dizer que rechaço duas delas e acato apenas uma.
             
          A primeira é que protestantes afirmam com extrema facilidade que estão cara a cara com Deus. Pareceu-me, no contexto de sua fala, que a mulher avaliava esta pretensão nossa de intimidade com o Altíssimo uma bravata, um atrevimento e, como aqui já indiquei, pura pretensão.
            
         A segunda crítica, e esta, particularmente, posso dizer que até me divertiu, foi a menção da graça de Deus. Sem entendê-la pormenorizadamente, e até que é compreensível, pois o contexto da mulher não é evangelical, ela acusou os protestantes de utilizar essa graça para enriquecimento, sim, porém monetário. Isso mesmo: suprir-se do vil metal por meio da graça de Deus.
            
        Obviamente, ela focava as igrejas neopentecostais do alvorecer do século XXI, que faturam horrores repartindo bênçãos atribuídas a Deus e recolhendo em moeda corrente seu lucro. Não deixa de ser uma via de enriquecimento, porém a graça aqui indicada não é a autenticamente bíblica.
           
         A terceira crítica, que não veio explícita, como as outras duas, mas deduzi nas entrelinhas da argumentação, a mulher reclamou que, para os protestantes, Deus não tem mais nenhum mistério, que sabemos tudo dEle, somos especialistas no trato com o Altíssimo e, lícita ou ilicitamente, ‘despenseiros’ de Deus, talvez, mas não exatamente de Seus mistérios, como identifica Paulo Apóstolo, exatamente porque, segundo ela percebe, já sabemos ou soubemos tudo de Deus.
          
          Vamos às réplicas:
           
1. Ela tem razão de sua pura, límpida e extrema indignação. Realmente a Bíblia afirma que o sacrifício de Cristo nos põe, irremediavelmente, cara a cara com Deus. Mais que isso: em comunhão íntima com Deus. Quando judeus quiseram apedrejar Jesus, que lhes perguntou as razões dessa agressão, responderam que não era pelo que Jesus fez, mas pelo que dizia: ‘Eu e o Pai somos um’. E na oração sacerdotal Jesus pede ao Pai que tenhamos com Ele, Deus, a mesma comunhão que Jesus tem. Realmente a Bíblia confirma e os protestantes afirmam que, por meio de Jesus, a nossa comunhão é com o Pai, segundo escreveu João Apóstolo em sua 1ª carta. Ela vai continuar a indignar-se com essa pretensão: os autenticamente cristãos privam desse privilégio.
             
2. Quanto a reclamar que a graça de Deus enriquece, e ela até mencionou Weber e o protestantismo como alavanca histórica do capitalismo, caramba, que voo. Realmente a graça enriquece, porém não monetariamente. Ela resgata da pobreza humana, alguém tem dúvida disto? De que o homem é desesperadamente corrupto e corruptor? Não se iluda. Só não se enxerga isso por má fé. É por meio de Sua graça que Deus reparte ao homem seus atributos. Deus não estabelece nenhum impedimento e reparte a cada homem toda a Sua graça, e com ela todo o Seu amor, toda a Sua bondade, enfim. A graça enriquece porque reparte conosco os atributos do caráter de Deus, tornando possível a cura e resgate de nossa condição moral reprovável. A riqueza à qual se referiu a acadêmica é outra, não essa da graça genuína, infelizmente aquela a mais cobiçada pela humanidade.
        
3. Quanto a dizer que os protestantes supõe conhecer tudo a respeito de Deus, neste caso específico, dei razão àquela acadêmica. Torna-se vergonhoso que os protestantes, neste início de século, por meio de seu discurso e de sua ética, demonstrem não mais conhecer nada sobre Deus. Vale aqui lembrar as palavras de Paulo: “Importa que os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus”. Ao inverso, transparece aos outros que banalizamos Deus e fica parecendo que não há mais mistérios de Sua graça a serem revelados, que tudo foi desvendado e o reduzimos a um totalmente conhecido, um meu cumpadi, um ô, meu ou, ainda, um mermão. Pretensão nossa. Largamos de mão a Bíblia, sistematicamente desconhecendo seu conteúdo e, consequentemente, não agindo conforme sua orientação. Daí termos perdido a identidade de ministros de Cristo. Não mais sabemos repartir as riquezas do evangelho e não mais temos, como dizia John Stott, uma contracultura cristã para, por meio dela, marcar positivamente a sociedade (pós)moderna. Por isso somos, sistematicamente, engolidos em nossa superficialidade e pisados nas ruas, pelos homens, como sal insípido.

          Muito instrutivo o debate do qual participei. Ficou patente a opinião, análise e leitura que é feita a respeito dos protestantes, grupo do qual faço parte, assim reconhecido (o grupo e eu mesmo como um deles).

           Reclamar que Jesus nos coloca cara a cara com Deus, não procede, porque é isso mesmo: a nossa comunhão é com o Pai e o seu Filho Jesus Cristo. Que a graça de Deus enriquece monetariamente e que somos culpados pelos males do capitalismo, não tem graça, desculpem-me o trocadilho: graça de Deus é o favor dEle em repartir conosco os atributos de Seu caráter.

           Agora, apontar para a falha dos protestantes em ser ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus, isso lá está correto. Paulo argumentou que isso é o que importa aos homens, ou seja, que assim nos reconheçam. Cada vez mais se torna flagrante, ao inverso, a distinção que Malaquias ressaltou, 450 anos antes de Cristo: não dá mais para ver a diferença entre o justo e o ímpio, entre o que serve e o que não serve a Deus.

        Falha nossa. Falta-nos habilitação para cumprir esse procedimento que Paulo sugere ser o padrão de autenticidade exigido para nós. Importa que os homens nos considerem ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Mal traçadas linhas 1


          Ora, milagres.
     
           Por minha própria conta e risco, inicio estas linhas que, por bem ou por mal, podem ser as primeiras ou últimas. Tratar-se-á, mesocliticamente falando, de uma série, obviamente, de mal traçadas linhas porque, pela própria, de novo, natureza desta provocação, deverão ser, pelo menos, mais de umas. Ou, quem sabe, estas serão as únicas.
       
      A temática destas primeiras mal traçadas segue após o título que vai estampado logo aí, abaixo:
             
       Falando sobre milagres na Bíblia

(ou, outra sugestão de título,) 

       Esse negócio de milagre, como a Bíblia descreve, aconteceu mesmo? 

     A razão de ser desta temática envolve a recente divulgação e discussão, na mídia, dos milagres, nem sei se devo escrever ‘milagres’, relacionados à novela recordiana (Rede Record) ou, quem sabe, à novela Universal “Os Dez Mandamentos”.
            
       O método a ser utilizado nestas primeiras e, talvez, últimas mal traçadas linhas será aquele, ou este, de 5 perguntas. Pretende-se, com elas, ilustrar a questão ou, quando muito, provocá-la. Vamos a elas:

1.     Deus existe?

      Evidentemente que, para uma parcela grande de pessoas, entre as quais eu me incluo, ele, desculpem-me, Ele existe. Pois bem, vamos adiante. 
2.     A Bíblia indica, pelo menos, mais ou menos, quem é esse Deus? 
      Bom, aqui, mesmo para aqueles que acreditam na Bíblia, entre os quais, mais uma vez, eu me incluo, não vai dar para dizer que a Bíblia fala tudo ou, devo grafar, Tudo sobre Ele. Vamos nos contentar com a seguinte afirmação: a Bíblia dá (várias) pistas seguras sobre Quem é Deus. 
3.     Entre o que a Bíblia fala sobre Deus, os milagres – bom, aqui vamos enquadrar, especificamente, aqueles indicados na novela Universal, quais sejam, os indicados pela história do livro de Êxodo – seriam possíveis de ser realizados por Deus? Perguntando de outra forma e, no caso, generalizando: 
        O Deus indicado na (ou pela) Bíblia seria capaz de realizar os milagres que a mesma Bíblia indica que Ele realizou (entre os quais, ressuscitar mortos, este, fundamental, para que possamos acreditar que Ele ressuscitou Cristo, que é o ponto fundamental do Cristianismo)? 
4.     Se Ele seria, ou é capaz de realizar esses milagres descritos na Bíblia ou, numa outra redação desta mesma pergunta argumentativa: Se o Deus que a Bíblia descreve realiza os milagres ali indicados ou se tem poder para realizá-los, por que tanta relutância em aceitá-los como possíveis (ou passíveis) de ter ocorrido?
        Vamos, por exemplo, admitir um desses milagres, este descrito no Gênesis, que foi (ou é, ainda) a Criação do Universo. Indico este, porque a própria Bíblia diz que este milagre, que por ele, o homem, qualquer homem (ou mulher, genericamente falando) tem condições de, deparando a Criação, crer que Deus existe. Por isso estou mencionando este milagre.
       Sim, evolução, Darwin diria. Não vamos, aqui, na economia destas mal traçadas linhas, pôr Deus X Darwin. Vamos supor que Deus disse “Haja luz” e que houve luz. Aí, essas partículas de luz, num desatino qualquer que, evidentemente, estava no programa da Providência (divina) entraram em choque (vide LHC - Large Hadron Collider), surgiu a matéria e, posteriormente, num dado tempo sideral, houve o Big Bang.
      Ainda assim a Bíblia diz que, por meio da criação, podem ser conhecidos (1) os atributos de Deus, (2) Seu poder e (3) Sua divindade. Por isso citei esse primeiro e primordial milagre: a Criação. Pois bem, vamos supor que Ele realizou pelo menos esse (caramba, se, pelo menos esse não atribuirmos a Ele, daqui a pouco não sobrará nada para Deus ter feito, nem mesmo na semana primordial inicial... Ha Ha Ha Ha...).
       Aí, também, meus camaradas, permitam-me dizer, nem vai ser preciso Deus existir...
           Bom, isto posto, ou seja, se, pelo menos, esse milagre Ele realizou, mesmo no contexto dos esclarecimentos darwinianos, a última pergunta: 

5.      Por que tanta relutância em admitir que o Deus que a Bíblia mais ou menos descreve seja capaz de realizar os milagres que ela própria, a Bíblia, descreve?
          Algumas hipóteses para tentar explicar essa relutância:
 1. A Bíblia é um livro ilustrativo, obra literária que deve, sim, ser apreciada ou entendida, porém por métodos e critérios diversos e diferenciados ou, por outra via, se vamos supor que Deus deve andar, por aí, desde a eternidade, aprontando e fazendo dos Seus milagres, não são exata e precisamente esses aí descritos no Livro;
 2. Não se encaixam em nossa mentalidade (pós)moderna essas descrições ou esses milagres assim descritos ou, em outras (mal traçadas) palavras, não dá para engolir essa(s) ou esse(s) milagre(s): a Idade Média e a Antiguidade já passaram, do Renascimento para cá o homem já emplacou sua maioridade. E nela, definitivamente, não cabem mais essas crendices;

3  E, exata e precipuamente, nessa virada de século, melhor, naquela virada de século, refiro-me à passagem do século XIX para o XX, fomos, incluídos nós, os protestantes, também resgatados dessa nossa infância na compreensão do Livro (refiro-me à Bíblia), quero dizer, milagres, sejam eles de que natureza sejam, incluídos aqueles tão prosaica e simbolicamente descritos nos Evangelhos, atribuídos a Jesus, já têm sua dimensão, interpretação e devidos esclarecimentos, bastando para isso recorrer aos manuais para que nenhuma dúvida ou má interpretação prevaleçam.

        Pronto. Finalizam, aqui, estas mal traçadas linhas. Caracterizam-se, também, por sua prolixidade, o que fica comprovado que, além de serem mal traçadas, são, demasiadamente, extensas. Vai aqui, embutido, o meu pedido de perdão.

            Bom, porém, mesmo assim, à guisa de esclarecimento, deve faltar, eu presumo, concluir dizendo que sim, eu acredito nos milagres assim como estão descritos na Bíblia. Pretendi, com estas mal traçadas, discutir razões por que há quem não creia.

            Para citar um último deles, daqueles considerados os mais absurdos, lembro aqui Jonas, o náufrago suicida, o profeta que sobreviveu nas profundezas abissais dos oceanos, por três dias, no ventre de um peixe. Argumento: o que se torna mais absurdo? Crer na possibilidade de Jonas ter respirado no ventre daquele peixe anônimo ou na possibilidade de que o defunto Jesus, que por tês dias esteve morto, ressuscitasse ao terceiro, na madrugada daquele domingo?

           Bem, para crer, para ser aprovado na infância da fé, não é prioritário crer na história de Jonas. Mas é prioritário crer na história de Jesus. E cá, entre nós, absurdo por absurdo, crer na possibilidade de ressuscitar um morto de três dias é muito mais exigente do que crer na possibilidade de Jonas ter respirado oxigênio ou hibernado no ventre do peixe.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Comunhão é mistura. É?


       Comunhão é mistura? Refiro-me, aqui, ao ponto central das Escrituras, expresso nas palavras de Jesus na chamada Oração Sacerdotal em João 17:21 "...a fim de que todos sejam um; e como és tu,  ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós".

       Digo mistura, porque a intenção de Deus, em relação aos que creem, aliás, esclarecendo o todos da citação acima, favor ler o contexto, esse todos refere-se a aqueles que vierem a crer em mim. Pois bem, essa comunidade de crentes, dos que creem em Jesus, ele mesmo pede ao Pai, nessa Sua oração, que se constituam (1) um entre si, (2) um com Ele, Jesus, (3) um com o Pai. E do mesmo modo, na mesma matriz de comunhão que há entre o Pai e o Filho Jesus Cristo.

      Isso é mistura. Comunhão é mistura. Se não, vejamos. Quando a Bíblia afirma que Deus, que o Verbo encarnou, linguagem ainda do Evangelho de João, no capítulo 1, que o Verbo se fez carne, isso significa dizer que Deus, aqui vale a pena consultar, no Evangelho de Lucas, a explicação do anjo a Maria como se daria, que Deus fecundou o óvulo da mulher, Maria, para que nascesse Seu Filho Jesus sem a concorrência humana. O menino não foi fecundado com sêmen humano, mas o óvulo de Maria foi fecundado diretamente por Deus.

      Leia-se em Lucas a explicação dada à mulher, quando ela mesma perguntou: Como será isto, pois não tenho relação com homem algum? Está evidente aqui a intenção de Lucas em demonstrar com clareza que Jesus não foi gerado por homem algum e Maria, virgem naquele momento, buscava por detalhes nas afirmações de Gabriel, o anjo que trazia o recado. Ele mesmo explicou: "Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também, o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus." 

      Único na história da salvação, esse ato, qual seja, a encarnação do Verbo, o anúncio de como Deus se fez homem, definitivamente, define o modo e o ato como Deus se esvazia de sua deidade para se tornar homem. Identidade e atributos são mantidos, mas todas as características que fazem Deus ser Deus, ou seja, numa definição aproximada, conjunto de tudo o que torna Deus Deus, disso o Altíssimo se esvazia para se tornar homem. E, como homem, tornar-se inteiramente dependente de Deus, como o próprio Jesus afirma e está escrito no evangelho de João, o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz. Está claro? Aos filipenses, Paulo define a kénosis, ou seja, como e o que foi esse esvaziamento, outra definição aproximada, que é o "ato de se esvaziar de si mesmo, sem perder a própria identidade".

        Deus não deixou de ser Deus, tornou-se homem e, como homem, continuou sendo Deus. Quando me refiro a mistura, não estou dizendo que as duas naturezas se misturaram, a divina e a humana, pois Jesus não se valia de Sua divindade intrínseca para beneficiar-se dela, como Satanás, quando o tentou, queria que fizesse, tentado a transformar pedras em pães. Havia uma delimitação clara entre as duas naturezas, sim, mas, de uma vez por todas, Deus tornou-se homem e, nesse caso, a mistura se dá no fato de que a natureza humana, com todos os seus atributos, Deus experimentou-a em sua plenitude - exceto a condição de pecado, comum a todos os homens e mulheres - para que pudesse ter comunhão real com os que cressem. A condição humana de Deus não inclui a condição de pecador, constituindo-se numa exceção com relação à Pessoa do Filho de Deus, Jesus Cristo.

        O autor de Hebreus indica: Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele (Jesus), igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo [...] Por isso mesmo, convinha que, em todas as coisas, se tornasse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote nas coisas referentes a Deus e para fazer propiciação pelos pecados do povo. Pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados."  

            Alô, alô, puristas de plantão: não estou afirmando que em Jesus se misturam natureza divina e humana. Estou, sim, afirmando que, para misturar-se ao homem Deus fez-se homem. Na comunhão, como as Escrituras a definem, não ocorre perda da personalidade ou da individualidade. Ao contrário, ressaltam-se as duas. O obstáculo, no homem, à comunhão, seja com Deus, seja com seu semelhante, é o pecado. No problema detetado por Paulo na comunidade de Antioquia, quando Pedro, proveniente de Jerusalém, a visitou, era que esse, considerado pedra entre os apóstolos, segundo indicou Paulo, não procedeu segundo a verdade do evangelho. E o problema identificado era exatamente que Pedro não queria misturar-se aos gentios. Quando chegaram à comunidade seus compadres de Jerusalém, narra Paulo, ele decidiu separar-se e, numa escala ainda maior, apartar-se.

         Paulo enquadrou-o, denunciando sua flagrante postura antievangélica, assim como construiu a primorosa peça do texto da Epístola aos Gálatas anotando que, quando tentamos soerguer as barreias que Cristo demoliu, a nós mesmo nos constituímos transgressores, ou seja, Cristo demoliu barreiras e, se nós decidimos soerguê-las, estamos à parte da Obra de Jesus. Cristo, agora segundo diz Paulo aos Efésios, derrubou paredes de separação. Daí dizer que, para misturar-se ao homem, ser comum com o homem, privar da humanidade em todas as suas condições e de modo pleno, Deus se fez, em Jesus Cristo, homem.

          E Jesus, ao contrário de Pedro em sua visita à Antioquia, era um ser gregário. Certa vez, numa citação da implicância de fariseus e intérpretes da lei com João Batista, seus constantes rivais, Jesus argumentou o modo com o discriminavam. Disse como renegavam João Batista, o profeta antissocial, que morava onde não mora ninguém, fazia sua própria comida e tecia suas próprias vestes. E ainda quando vinham batizar-se, a seu convite, tratava os candidatos como raça de víboras, perguntando se a concorrência ao batismo era medo do inferno e denunciando que desejava, sim, ver neles fruto genuíno de arrependimento. Jesus perguntou o que queriam, pois não se satisfaziam com o antissocial, afirmando que era um possesso, e também não se satisfaziam com a postura de Jesus, um beberrão, amigo de prostitutas, publicanos corruptos e pecadores, como se fosse correto isolá-los e categorizar numa classe específica.

         Definitivamente, Jesus não aceitava e não praticava apartar-se do cheiro do povo, da convivência próxima e íntima, de privar com eles a mesma natureza e limitações, exceto a prática de pecado. E no círculo íntimo, entre os apóstolos mais chegados, certa vez, quando encontraram o Mestre conversando, a sós, na beira do poço de Jacó, em Sicar, na Samaria, com uma mulher de fama duvidosa, até mesmo eles, esses discípulos, tentaram esconder sua contrariedade. Mas Jesus, é claro, percebeu e interpelou-os: você não sabem nada de ceifa, não enxergam e não entendem que os campos estão brancos para a ceifa. Tratava-se de mulher, que, até hoje, ainda na tradição oriental, são discriminadas e, ainda por cima, uma samaritana, alvo prioritário de discriminação dos vizinhos judeus daquela época. Definitivamente, Jesus não sabia, na opinião daqueles apóstolos, resguardar a sua imagem.

         Pois bem, à luz desse entendimento, Jesus queima seu filme quando escolhe a escória humana para se envolver com ela. E quem é essa escória? Todos e cada um de nós, sem exceção. É bem verdade, como já dizia Salomão, no Eclesiastes, tudo é vaidade. E, na verdade, o que ele quer dizer é que as coisas, em si, não são vaidade. O que Salomão deseja esclarecer, e o faz, é que o ser humano se vale de qualquer coisa para se colocar acima do outro: condição social, raça, sobrenome, dinheiro, latitude, enfim, o ser humano, definitivamente, não se contenta em ser igual. E comunhão, definitivamente, é ser igual e o mesmo. Pronto. Está posta a contrariedade. Ser humano detesta ser considerado igual, ser colocado no mesmo nível. Paulo, aos Filipenses, diz que cada um deve considerar o outro superior a si mesmo. Se deve ocorrer, mesmo, grau de nivelamento, seja este sugerido pelo apóstolo.

         Porque ele (Jesus) é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derrubado a parede da separação que estava no meio, a inimizade, aboliu, na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz, e reconciliasse ambos e só corpo com Deus, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade. E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe e paz também aos que estavam perto; porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito." Paulo aos Efésios 2:14-18. ´

        Quando, porém, Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe face a face, porque se tornara repreensível. Com efeito, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, comia com os gentios; quando, porém, chegaram, afastou-se e, por fim, veio a apartar-se, temendo os da circuncisão. E também os demais judeus dissimularam com ele, a ponto de o próprio Barnabé ter-se deixado levar pela dissimulação deles. Quando, porém, vi que não procediam corretamente segundo a verdade do evangelho, disse a Cefas, na presença de todos: se, sendo tu judeu, vives como gentio e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? [...] Porque, se torno a edificar aquilo que destruí, a mim mesmo me constituo transgressor." Paulo aos Gálatas 2:11-14 e 18.

        Em síntese, demonstram os textos, se Cristo derruba barreiras de relacionamento entre os homens, e fez isso tornando, para nós, possível o próprio relacionamento, sem barreiras, com Deus. E se me tornei cúmplice de Cristo, associando-me a Ele, batizado nEle pelo Espírito Santo, para ter comunhão com o Pai e, consequentemente, com os homens, eu mesmo aprendi, com Cristo, a destruir, a demolir barreiras. Se elas voltam a ser erguidas por mim, a mim mesmo me constituo transgressor. O problema da comunhão e sua rejeição é que se trata de mistura, de privar com o outro e do mesmo modo que o outro tudo, incluídas as mazelas que nos são comuns. Por isso Cristo se associou a nós, na mesma condição humana, exceto o pecado que Ele nunca experimentou e, por isso mesmo, pôde e pode nos livrar desse mal.

         Cristo realizou, tornou concreta e possível a nossa paz com Deus e, consequentemente e decorrente disso paz com os homens, paz entre os homens, paz que vai até os limites da comunhão, invade os limites da comunhão. Esse limites coexistem com os limites da santidade que Cristo, pelo seu sangue, conquistou para nós. Mas santidade não é, como Pedro tentou impor, segregação. Santidade também é mistura. Em nós age o Espírito Santo, habitando em nós, em comunhão conosco, auxiliando-nos na nossa luta contra nós mesmos, homem renovado em Cristo versus a carnalidade que tem a nossa assinatura e opções. Haroldo de Campos traduziu o Eclesiastes, dizendo que vaidade é névoa de nada. Bloqueie a sua vaidade, bloqueio a minha vaidade e, como ensinou Paulo aos Gálatas, deixemos Cristo viver em nós, estejamos crucificados com Cristo, vivamos por fé e, definitivamente, autenticidade de comunhão e o exercício dela vai nos tornar igreja autêntica.  


Comunhão é mistura. É?


       Comunhão é mistura? Refiro-me, aqui, ao ponto central das Escrituras, expresso nas palavras de Jesus na chamada Oração Sacerdotal em João 17:21 "...a fim de que todos sejam um; e como és tu,  ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós".

       Digo mistura, porque a intenção de Deus, em relação aos que creem, aliás, esclarecendo o todos da citação acima, favor ler o contexto, esse todos refere-se a aqueles que vierem a crer em mim. Pois bem, essa comunidade de crentes, dos que creem em Jesus, ele mesmo pede ao Pai, nessa Sua oração, que se constituam (1) um entre si, (2) um com Ele, Jesus, (3) um com o Pai. E do mesmo modo, na mesma matriz de comunhão que há entre o Pai e o Filho Jesus Cristo.

      Isso é mistura. Comunhão é mistura. Se não, vejamos. Quando a Bíblia afirma que Deus, que o Verbo encarnou, linguagem ainda do Evangelho de João, no capítulo 1, que o Verbo se fez carne, isso significa dizer que Deus, aqui vale a pena consultar, no Evangelho de Lucas, a explicação do anjo a Maria como se daria, que Deus fecundou o óvulo da mulher, Maria, para que nascesse Seu Filho Jesus sem a concorrência humana. O menino não foi fecundado com sêmen humano, mas o óvulo de Maria foi fecundado diretamente por Deus.

      Leia-se em Lucas a explicação dada à mulher, quando ela mesma perguntou: Como será isto, pois não tenho relação com homem algum? Está evidente aqui a intenção de Lucas em demonstrar com clareza que Jesus não foi gerado por homem algum e Maria, virgem naquele momento, buscava por detalhes nas afirmações de Gabriel, o anjo que trazia o recado. Ele mesmo explicou: "Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também, o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus." 

      Único na história da salvação, esse ato, qual seja, a encarnação do Verbo, o anúncio de como Deus se fez homem, definitivamente, define o modo e o ato como Deus se esvazia de sua deidade para se tornar homem. Identidade e atributos são mantidos, mas todas as características que fazem Deus ser Deus, ou seja, numa definição aproximada, conjunto de tudo o que torna Deus Deus, disso o Altíssimo se esvazia para se tornar homem. E, como homem, tornar-se inteiramente dependente de Deus, como o próprio Jesus afirma e está escrito no evangelho de João, o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz. Está claro? Aos filipenses, Paulo define a kénosis, ou seja, como e o que foi esse esvaziamento, outra definição aproximada, que é o "ato de se esvaziar de si mesmo, sem perder a própria identidade".

        Deus não deixou de ser Deus, tornou-se homem e, como homem, continuou sendo Deus. Quando me refiro a mistura, não estou dizendo que as duas naturezas se misturaram, a divina e a humana, pois Jesus não se valia de Sua divindade intrínseca para beneficiar-se dela, como Satanás, quando o tentou, queria que fizesse, tentado a transformar pedras em pães. Havia uma delimitação clara entre as duas naturezas, sim, mas, de uma vez por todas, Deus tornou-se homem e, nesse caso, a mistura se dá no fato de que a natureza humana, com todos os seus atributos, Deus experimentou-a em sua plenitude, exceto a condição de pecado, comum a todos os homens e mulheres. Essa condição de pecador constitui-se numa exceção com relação à Pessoa do Filho de Deus, Jesus Cristo.

        O autor de Hebreus indica: Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele (Jesus), igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo [...] Por isso mesmo, convinha que, em todas as coisas, se tornasse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote nas coisas referentes a Deus e para fazer propiciação pelos pecados do povo. Pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados."  

            Alô, alô, puristas de plantão: não estou afirmando que em Jesus se misturam natureza divina e humana. Estou, sim, afirmando que, para misturar-se ao homem Deus fez-se homem. Na comunhão, como as Escrituras a definem, não ocorre perda da personalidade ou da individualidade. Ao contrário, ressaltam-se as duas. O obstáculo, no homem, à comunhão, seja com Deus, seja com seu semelhante, é o pecado. No problema detetado por Paulo na comunidade de Antioquia, quando Pedro, proveniente de Jerusalém, a visitou, era que esse, considerado pedra entre os apóstolos, segundo indicou Paulo, não procedeu segundo a verdade do evangelho. E o problema identificado era exatamente que Pedro não queria misturar-se aos gentios. Quando chegaram à comunidade seus compadres de Jerusalém, narra Paulo, ele decidiu separar-se e, numa escala ainda maior, apartar-se.

         Paulo enquadrou-o, denunciando sua flagrante postura antievangélica, assim como construiu a primorosa peça do texto da Epístola aos Gálatas anotando que, quando tentamos soerguer as barreias que Cristo demoliu, a nós mesmo nos constituímos transgressores, ou seja, Cristo demoliu barreiras e, se nós decidimos soerguê-las, estamos à parte da Obra de Jesus. Cristo, agora segundo diz Paulo aos Efésios, derrubou paredes de separação. Daí dizer que, para misturar-se ao homem, ser comum com o homem, privar da humanidade em todas as suas condições e de modo pleno, Deus se fez, em Jesus Cristo, homem.

          E Jesus, ao contrário de Pedro em sua visita à Antioquia, era um ser gregário. Certa vez, numa citação da implicância de fariseus e intérpretes da lei com João Batista, seus constantes rivais, Jesus argumentou o modo com o discriminavam. Disse como renegavam João Batista, o profeta antissocial, que morava onde não mora ninguém, fazia sua própria comida e tecia suas próprias vestes. E ainda quando vinham batizar-se, a seu convite, tratava os candidatos como raça de víboras, perguntando se a concorrência ao batismo era medo do inferno e denunciando que desejava, sim, ver neles fruto genuíno de arrependimento. Jesus perguntou o que queriam, pois não se satisfaziam com o antissocial, afirmando que era um possesso, e também não se satisfaziam com a postura de Jesus, um beberrão, amigo de prostitutas, publicanos corruptos e pecadores, como se fosse correto isolá-los e categorizar numa classe específica.

         Definitivamente, Jesus não aceitava e não praticava apartar-se do cheiro do povo, da convivência próxima e íntima, de privar com eles a mesma natureza e limitações, exceto a prática de pecado. E no círculo íntimo, entre os apóstolos mais chegados, certa vez, quando encontraram o Mestre conversando, a sós, na beira do poço de Jacó, em Samaria, com uma mulher de fama duvidosa, até mesmo eles, esses discípulos, tentaram esconder sua contrariedade. Mas Jesus, é claro, percebeu e interpelou-os: você não sabem nada de ceifa, não enxergam e não entendem que os campos estão brancos para a ceifa. Tratava-se de mulher, que, até hoje, ainda na tradição oriental, são discriminadas e, ainda por cima, uma samaritana, alvo prioritário de discriminação dos vizinhos judeus daquela época. Definitivamente, Jesus não sabia, na opinião daqueles apóstolos, resguardar a sua imagem.

         Pois bem, à luz desse entendimento, Jesus queima seu filme quando escolhe a escória humana para se envolver com ela. E quem é essa escória? Todos e cada um de nós, sem exceção. É bem verdade, como já dizia Salomão, no Eclesiastes, tudo é vaidade. E, na verdade, o que ele quer dizer é que as coisas, em si, não são vaidade. O que Salomão deseja esclarecer, e o faz, é que o ser humano se vale de qualquer coisa para se colocar acima do outro: condição social, raça, sobrenome, dinheiro, latitude, enfim, o ser humano, definitivamente, não se contenta em ser igual. E comunhão, definitivamente, é ser igual e o mesmo. Pronto. Está posta a contrariedade. Ser humano detesta ser considerado igual, ser colocado no mesmo nível. Paulo, aos Filipenses, diz que cada um deve considerar o outro superior a si mesmo. Se deve ocorrer, mesmo, grau de nivelamento, seja este sugerido pelo apóstolo.

         Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derrubado a parede da separação que estava no meio, a inimizade, aboliu, na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz, e reconciliasse ambos e só corpo com Deus, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade. E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe e paz também aos que estavam perto; porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito." Paulo aos Efésios 2:14-18. ´

        Quando, porém, Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe face a face, porque se tornara repreensível. Com efeito, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, comia com os gentios; quando, porém, chegaram, afastou-se e, por fim, veio a apartar-se, temendo os da circuncisão. E também os demais judeus dissimularam com ele, a ponto de o próprio Barnabé ter-se deixado levar pela dissimulação deles. Quando, porém, vi que não procediam corretamente segundo a verdade do evangelho, disse a Cefas, na presença de todos: se, sendo tu judeu, vives como gentio e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? [...] Porque, se torno a edificar aquilo que destruí, a mim mesmo me constituo transgressor." Paulo aos Gálatas 2:11-14 e 18.

        Em síntese, demonstram os textos, se Cristo derruba barreiras de relacionamento entre os homens, e fez isso tornando, para nós, possível o próprio relacionamento, sem barreiras, com Deus. E se me tornei cúmplice de Cristo, associando-me a Ele, batizado nEle pelo Espírito Santo, para ter comunhão com o Pai e, consequentemente, com os homens, eu mesmo aprendi, com Cristo, a destruir, a demolir barreiras. Se elas voltam a ser erguidas por mim, a mim mesmo me constituo transgressor. O problema da comunhão e sua rejeição é que se trata de mistura, de privar com o outro e do mesmo modo que o outro tudo, incluídas as mazelas que nos são comuns. Por isso Cristo se associou a nós, na mesma condição humana, exceto o pecado que Ele nunca experimentou e, por isso mesmo, pôde e pode nos livrar desse mal.

         Cristo realizou, tornou concreta e possível a nossa paz com Deus e, consequentemente e decorrente disso paz com os homens, paz entre os homens, paz que vai até os limites da comunhão, invade os limites da comunhão. Esse limites coexistem com os limites da santidade que Cristo, pelo seu sangue, conquistou para nós. Mas santidade não é, como Pedro tentou impor, segregação. Santidade também é mistura. Em nós age o Espírito Santo, habitando em nós, em comunhão conosco, auxiliando-nos na nossa luta contra nós mesmos, homem renovado em Cristo versus a carnalidade que tem a nossa assinatura e opções. Haroldo de Campos traduziu o Eclesiastes, dizendo que vaidade é névoa de nada. Bloqueie a sua vaidade, bloqueio a minha vaidade e, como ensinou Paulo aos Gálatas, deixemos Cristo viver em nós, estejamos crucificados com Cristo, vivamos por fé e, definitivamente, autenticidade de comunhão e o exercício dela vai nos tornar igreja autêntica.  


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Por quem sois ou basta a cada dia o seu (próprio) mal.


     Certas frases das Escrituras, caso chegassem a nossos dias como se fossem a única, sem nenhuma outra, entre as tradicionadas como saídas da (própria) boca de Jesus, fariam efeito, ou o mesmo efeito. Hoje acordei imaginando o efeito desta: "Basta a cada dia o seu mal", caso somente ela fosse suposta herança entre tudo o que é atribuído a Jesus como ipsissima verba.

     O sentido dessa frase deve estar ligado às seguintes circunspecções: a primeira delas é que, no dia de ontem, já ido, a ele couberam todos os males. Duas opções, pelo menos: o vosso pecado vos há de achar ou game over até o dia do Juízo Final. E faça o favor de atualizar sua agenda e desfazer os compromissos, porque nesse dia, compulsoriamente, estaremos todos juntos, diante do Telão e frente a frente com o Juiz.

     Segunda delas, é que para este dia que aqui começa estarão reservados seus próprios males, pelo menos até 12 h, que é meia-noite no falar regional daqui. Reflexões sobre a maldade, costumam ser sutis, porque cada um, ao analisar sua malícia, está afetado por elas e nunca será, totalmente, isento. Desse modo, será facílimo nos julgarmos melhor do que outrem. E, principalmente, se julgarmos a nós mesmos protestantes, herdeiros indiretos da Reforma, vamos nos julgar melhores do que os outros.

     Falha estúpida esta, porque a Escritura indica que somos indesculpáveis, quem quer que sejamos, visto que, no que julgamos outrem, a nós mesmos nos enganamos (e nos condenamos). E fazendo assim, argumenta Paulo na Carta aos Romanos, ignoramos, propositadamente, que foi a bondade de Deus, e não a nossa (própria), hipoteticamente, que nos conduziu ao arrependimento. Isto aqui, arrependimento, é o expediente que nos coloca frente a frente com Deus e, consequentemente, com o nosso pecado, não necessariamente nesta ordem.

     Terceira delas, entre as circunspecções: Por quem sois? Pelo sangue de Cristo. Alguém se julga suficiente para avaliar a abrangência deste significado? Ora, se Cristo decidiu, por Si, intervir e assumir a culpa por todo e cada homem/mulher, filigranas, no varejo e no atacado do meu, do seu e do pecado alheio, alhures e algures, impossível abarcar num mínimo de compreensão toda essa abrangência. Na contabilidade do próprio mal, cada um aprende a, uma vez vacinado para esse veneno, precaver-se contra o mesmo mal praticado, evitando reincidência, repetições, o mesmo videotape. 

       O pecado, de tão entranhado em nossa personalidade, constante de nossa própria assinatura, enfrentá-lo passa a ser tentativa de fuga. Repeti-lo, acaba por nos tornar hipócritas e dissimulados. Envergonhados, só nos resta admitir ou, vez por outra, negar. Nesse jogo de ocultação/revelação, dizem as Escrituras, trava-se um embate, nós versus  o Espírito, o Espírito versus nossa carnalidade. Talvez, o único trecho nas Escrituras que afirma que o Espírito milita. Milícia, diz um eventual dicionário, é "arte e prática da guerra" ou "a guerra propriamente dita". Talvez, de novo, a única passagem nas Escrituras que afirma que uma personalidade tão plácida como o Espírito se envolva numa, digamos, milícia.

         E ora bem, vejamos, o que no Rio de Janeiro chamam milícia. Mas pode acreditar que esse Espírito não usa as armas dessa milícia, esclarece o (próprio) Paulo: as armas da nossa milícia não são carnais, mas, poderosas em Deus, anulam sofismas. Dicionário eventual: Sofisma é argumento falso ou raciocínio viciado, usado intencionalmente para induzir o outro ao erro. Denomina-se sofisma formal se as premissas que o sustentam são válidas e se sua falsidade derivar do mau uso das regras de inferência lógica." Enfim, sofisma, seja no barato ou no requinte: costumamos praticar dos dois tipos.

          Basta o seu (próprio) mal. Quando o engendramos, e somos nós, unicamente, os humanos, que o engendramos, costumamos dissimular esse mesmo mal. Nem nós mesmos temos isenção e condições equilibradas para identificá-lo, assumi-lo e, definitivamente, debelar. Basta a cada dia. Esqueça o de ontem. Ou melhor, relembre, na medida em que essa lembrança possa ajudá-lo, quem sabe, a evitar sua repetição. E não adiantam truques de Alice ou trick-or-treat. Pecado é mal, com ele não se brinca, impregnou minha e tua existência e só Deus tem sua cura. E é pelo sangue, unicamente pelo sangue de Jesus. Por quem sois?