domingo, 11 de junho de 2017

Oração de criança

   O Brasil se tornou um país triste, de um povo explorado. Tanta alegria existe, de um povo tão espirituoso, que tem música, poesia e dança, só para falar esses três.

   Que comece bem superficial essa análise. Não precisa muito. Tudo no Brasil hoje se resume em poucas palavras, sem muito recurso de definição: políticos cínicos são ladrões descarados, a nação, em sua maioria, de trabalhadores escravos, com impostos escorchantes que sustentam esses desmandos.

    E ainda querem dizer que roubam, sim, de ladrões. Por que são ladrões, dizem eles, porque todos somos ladrões. Eles nem mais se justificam: mentem sempre e culpam seus eleitores: são ladrões, porque todos somos ladrões.

    Não me venham com ideologia, nomes de partidos ou argumento pueril e simplista de esquerda/direita. Desde o mensalão de FHC, que lhe garantiu reeleição, presidenciáveis e ex-presidentes mentem e não assumem o combate à corrupção.

    Não me venham dizer que corrupção foi a desculpa para o golpe em 64, se foi, foi mais uma delas, injustificável, mas corrupção é chaga que existe desde o Império e falta vontade política para acabar com ela. Não acredito em nenhum outro discurso que não seja discutir o fim dela ou, pelo menos, seu combate frontal.

   E não me venham dizer que, como quer o mais recente ladrão-chefe, é necessário emparedar o judiciário. Combatê-lo e negar seu serviço é antidemocrático. Embora eu mesmo reconheça que até democracia, na boca de alguns, é puro pretexto e hipocrisia.

    Por falar em democracia, não existe no país. Porque o grau de impostos nos reduzem a trabalhadores escravos. Para angariar o dinheiro que roubam e desperdiçam. Como dizia Isaías, o profeta, da planta do pé ao alto da cabeça, uma chaga só.

    Como dizia Jeremias, outro entre profetas verdadeiros, que minha cabeça fosse um rio de lágrimas a chorar pela filha do meu povo. Não há mais o que revelar. Já sabemos tudo. Se algo mais vier, será sórdido como tudo já demonstrado.

    Só há superlativos. Tribunal Superior? Desde o presidente e seus cúmplices, são cínicos. Havia quem era contra a Lava Jato? Tornou-se incoerente quando ela alcançou seus próprios cúmplices.

    São corruptos e corruptores e querem que todos sejamos. Se formos honestos, rirão na nossa cara, detratando-nos para dizer que não existe honestidade. Meu Deus, tu existes. Não ignoras o que pratica esse tipo de "brasileiros" desde o descobrimento.

   Bem poderia deixar, soberanamente, ó, Pai, que assim continuasse, pois engendram o que lhes é comum. Mas alguns de nós, com sinceridade, te pedimos: basta. Chega. O tempo de sua ladroagem é suficiente. Pedimos que, por Tua misericórdia, nossa geração veja justiça e que sejam eles os encurralados.
   
   Como crianças, pedimos algo impossível para nós. Mas cremos que, entre homens, há ministros Teus, e Teu reino é realidade e já opera no mundo. Riem de Deus, riem de teus profetas, riem de teus ministros. Riem. Pouco medo nutrem, porque sua glória e segurança está na sua infâmia.

   Basta, Senhor: é a nossa oração. Supreende-nos e a todos e a muitos. Sinal do Teu reino, em nome de Jesus, amém.

domingo, 4 de junho de 2017

Mal traçadas linhas 42

    Todos somos. Todos somos?

      A polêmica sobre a narrativa do Gênesis termina onde a leitura certa da história se cumpre. E deve ser levada a efeito de modo inteligente e com toda a percepção a que se presta essa introdução de todo o Livro.

     Rasteiro, rasteiro o que a narrativa quer deixar bem claro é que a Bíblia, em sua introdução, quer nos dizer que, em certo sentido ou, se preferimos, no sentido mais estrito e restrito, todos somos Adão e Eva.

    Somos Adão porque a raça homem, em toda a sua macheza, o que mais está acostumado a praticar é não assumir-se diante de Deus, de modo covarde, e ainda pôr a culpa na mulher.

    E somos Eva porque a raça fêmea, por mais que, ainda, seja sincera diante de Deus, só pode mesmo admitir ter sido enganada pela serpente, sugerindo ao homem a mesma parceria, para que fossem juntos arrastados ao mesmo buraco existencial.

    Todos somos Adão e Eva. É isso que a narrativa introdutória da Bíblia quer nos dizer. É por essa ótica que ela nos enxerga. O autor de Deuteronômio, no poema que fecha o livro, em 32:5, diz que agora, nessa condição, somos manchas. Numa versão, diz "corromperam-se contra ele (contra Deus); não são seus filhos, mas a sua mancha; geração perversa e distorcida é.".

    Mas o Livro aponta uma saída. Paulo Apóstolo apelida Jesus de "segundo Adão". Ele diz que esse homem, Jesus, não enveredou pelo mesmo labirinto, esse sem saída, que sempre vai dar no homem e mulher nus, sem máscara diante de si mesmos, fugindo de Deus e fora do paraíso.

    Jesus, o segundo e definitivo Adão, nunca se escondeu de Deus assim como nunca deixou de ouvir a voz de Deus e sempre a obedeceu. É isso que a Bíblia tem a dizer sobre esse homem.

    "O filho não pode fazer de si mesmo senão unicamente aquilo que vir fazer o Pai". Sem nenhuma hipocrisia, essa palavra se cumpre cabalmente com relação a Jesus.

   E a Bíblia também afirma que Deus se dedica a refazer, regenerar, ou seja re + gerar, gerar de novo, deixar o modelo de barro falido, a carga de Adão e Eva que todos trazemos conosco, para realizar nova criação em Jesus Cristo.

     É de novo Paulo Apóstolo que diz "pois somos feitura dEle", quer dizer, de Deus. Somos, em Jesus Cristo, a partir do batismo em nova matriz, feitura, a palavra grega traduzida quer dizer "poema" de Deus, quer dizer, poema cujo autor é Deus: cada um que se deixa moldar pelas mãos do Criador, é barro novo modelado, a partir de nova matriz que é Jesus.

   Somos todos Adão e Eva. Quantos podem dizer que são Jesus? Quem pode dizer que é modelado pelas mãos de Deus, a partir dessa nova matriz, que é Jesus, como enxergou o profeta Jeremias na casa do oleiro, onde Deus lhe mandou ir, para atinar com o seu trabalho.

   A igreja de Jesus é a casa do oleiro. Quantos somos Jesus, batizados por ele no Espírito Santo, modelados barro novo pelas mãos do Pai, na casa do oleiro?