quinta-feira, 1 de outubro de 2020

O Apocalipse nosso de cada dia - Parte 3

    Pregar o evangelho sem contextualizar a mensagem, como Jesus o fez, dissocia-o do seu efeito principal de advertência. Em Mc 1,14-15 Jesus, o primeiro a pregar o evangelho, fez contextualizando a mensagem.

      Ele inaugura a Era do Apocalipse, porque afirma: 1. "O tempo está cumprido"; 2. "O reino de Deus está próximo"; 3. "Arrependei-vos e crede no evangelho". Esses três tópicos não se dissociam. 
     
     Daí a contínua advertência de que o livro todo é símbolo, já expressa na primeira bem-aventurança das 7 que aparecem no livro: 1. "Bem-aventurado", ou seja, pleno de bênção, afortunado e cheio de toda a alegria; 2. "Quem lê, ouve as palavras da profecia e guardam as coisas nela escritas", como em Dn 12,4, para esquadrinhá-las e se tornar sábio; 3. "Pois o tempo está próximo", eco e refrão das palavras de Jesus, na primeira vez que pregou o evangelho.

      A seguir, João se identifica, referindo o destinatário específico a quem envia as sete cartas e todo o livro, "João, às sete igrejas da Ásia", num kit dos fins dos tempos, e "da parte dAquele", ou seja, Quem é o remetente: "Aquele-que-é-que-era-e-que-há-de-vir", e mais, mencionando ainda os "sete espíritos que se acham diante de seu trono", modo de representar o Espírito Santo, em sua posição de intimidade em relação a Deus e como expressão de sua revelação aos homens, como nos informa 1 Co 2,9-10.
 
      E ainda na introdução, apresentando-nos esse Jesus e a parte íntima de sua relação conosco, João indica a seu respeito: 1. "Aquele nos ama", sua característica principal, que também o iguala ao Pai; 1. "Pelo seu sangue nos purifica dos nossos pecados", sua missão principal; 2. "E nos constituiu reino e sacerdotes para o seu Deus e Pai", a missão princial de igreja. 

       E termina esse trecho de apresentação detalhada de quem é Jesus, indicando a principal temática e propósito do livro: advertir sobre a volta de Jesus, auspiciosa para uns: "Vem com as nuvens, e todo o olho o verá", como advertiram os anjos em At 1,11; e desastrosa para outros: "...até quantos o traspassaram. E todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele", em referência aos que não acolhem a palavra de Jesus, Jo 12,47-48.

   Mais do que confirmado: "Certamente. Amém". E, a seguir,  João expressa a legenda de quem lhe dá autoridade para dizer o que está dizendo, transmitindo a revelação que recebeu do Pai. E, nessa legenda, João Apóstolo o indica com identidade única com Deus, que é o único que tem tais atribuições.

        1. "Eu sou o Alfa e o ômega"; 2. Diz o Senhor Deus"; 3. "Aquele-que-é-que-era-e-que-há-de-vir"; 4. "O Todo-poderoso". Aqui, João se refere a Jesus. Se não é o próprio João quem o diz, como alguns comentaristas gostam de dizer, negando ao apóstolo a autoria do Apocalipse, alguém o está imitando ou estudou na mesma escola. 

      A seguir, a indentificação do correio, João,  o estafeta que vai transmitir o recado de Jesus às igrejas, indicando circunstâncias e época da tarefa de que foi incumbido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário