quinta-feira, 1 de outubro de 2020

O Apocalipse nosso de cada dia - Parte 2

    O Apocalipse começa já indicando ser revelação, apocalipse, de Deus. Não existe nenhum outro que revele. Segue dizendo que Deus a deu a Jesus. Não existe nenhum outro que possa recebê-la.


    Então Jesus, por meio de seu anjo, vai repassar a João, para que ele repasse à igreja. Não existe nenhum outro destinatário para a revelação de Deus. 

    O anjo será o cicerone de João Apóstolo por todas as cenas do livro. Lá no final, na conclusão, que é necessário linkar com esta introdução, João e o anjo de despedem, dando este por encerrada a sua tarefa. 

      Na introdução, ainda, depois de definir a natureza de revelação que enseja o livro, João vai se apresentar como legítimo portador da notícia e vai apontar a principal personagem do Apocalipse: Jesus. 

      Se na leitura do livro se perde essa principal indicação, desaproveita-se qualquer coisa dita. "João às sete igrejas da Ásia", por que Ásia e por que sete? Um dos símbolos reconhecidamente mais comuns em seu uso era esse número. 

     As cartas e o próprio Apocalipse são para todas, para a totalidade das igrejas, são para a igreja de Cristo de todas as épocas. Daí, focar nas "sete igrejas". E Ásia, porque era um circuito que se destacava como se fosse uma vitrine, geograficamente, no contexto do Mediterrâneo, em torno do qual situava-se o mundo inteiro da época.

     O ministério de Paulo em Éfeso, assinala Lucas, nos Atos dos Apóstolos, foi oportunidade de que "todos os habitantes da Ásia ouvissem a palavra do Senhor", At 19,10. Essa abrangência permite que cartas sejam endereçadas a essas igrejas, tomadas como padrão representativo de toda as outras em todas as épocas. 

      Jesus, da parte de quem João (e qualquer autor bíblico) fala, é a Fiel Testemunha, o Primogênito dos Mortos e o Soberano dos reis da terra. Não precisa dizer mais.

      Jesus é Testemunha de Deus, "expressão exata do seu ser", Hb 1,3 e Testemunha do evangelho. A missão da igreja é ser testemunha de Jesus, até a volta dEle, At 1,8. Jesus é o Primogênito dentre os mortos, porque é o primeiro e único ressuscitado, como vencedor da morte e do pecado, que trará consigo todos os que crerem nEle, Cl 2,11-15.

      E Soberano sobre os reis da terra, porque desde a profecia de Isaías, Is 52,13-15, há uma advertência para que os reis da terra prestem atenção, porque um maior do que todos se avizinha. E Paulo diz aos Efésios 1.19-23, que Deus colocou Cristo acima de todas as coisas e o deu à igreja. 

     Esse é Jesus, a quem João apresenta, a chave de entendimento para a compreensão do Apocalipse. A seguir, João expõe, sobre Jesus, a parte que, em relação a Ele, nos diz respeito de perto e anuncia a temática principal do recado que segue com o livro: "Eis que vem com a nuvens, e todo olho o verá".

Nenhum comentário:

Postar um comentário